Fotodepilação é indicada para evitar dermatite e foliculite

No ponto alto do verão, há quem não consiga conviver com os pelos indesejados. Mas se você não gosta nem de pensar em se depilar com cera ou lâmina, saiba que a fotodepilação é uma alternativa, especialmente para quem sofre com inflamações causadas pelos métodos tradicionais.

Conforme explica o cirurgião plástico Marco Cassol, essas reações são conhecidas como dermatites e foliculites, processo inflamatórios ocasionados pelo trauma de remoção dos folículos pilosos. Desagradáveis, elas podem ser evitadas com uma mudança simples e que promete trazer benefícios.

“A vantagem da fotodepilação é que ela ameniza manchas decorrentes da depilação com lâmina ou cera e remove cerca de 85% dos pelos de forma duradoura, com sessões a cada 30 dias”, enfatiza o médico.

Tipos de fotodepilação

Hoje em dia há diferentes formas de usufruir da fotodepilação, mas os métodos considerados mais eficientes e com efeito prolongado são a luz pulsada e o laser, este um pouco maisdesconfortável.

No caso do primeiro, pontua Paula Menezes, diretora da franquia especializada em fotodepilação e fototerapias Mais Depil, uma luz intensa é pulsada e, agindo através da melanina, é transformada no calor responsável pela destruição do folículo piloso. Assim, o pelo não volta a crescer.

“Diferente do laser, a luz pulsada não oferece riscos de queimaduras”, acrescenta a diretora. O custo é outro ponto no qual ambos os métodos são diferentes: enquanto a depilação a laser pode custar até R$200 por área, a de luz pulsada sai, em média, por R$ 60. Mas tudo depende, é claro, do estabelecimento.

Por isso, o mais importante é verificar com um dermatologista, esteticista ou cirurgião de sua confiança qual é o método mais indicado para você, de acordo com o seu tipo de pele, formato de pelo, resistência à dor e resultado idealizado.
Cuidados com a depilação

A fotodepilação exige alguns cuidados, especialmente após a realização do procedimento. Paula explica que, para garantir bons resultados, é necessário utilizar loção calmante com efeito refrescante para a pele. Além disso, é indispensável o uso de protetor solar diariamente e evitar a exposição direta ao sol sete dias antes e sete dias depois da sessão.

Para quem investe nos métodos de lâmina e cera, vale ainda atenção redobrada, especialmente para evitar as dermatites e foliculites. A principal dica é evitar substâncias ou roupas que promovamalergia na região afetada. Outro ponto importante é usar a lâmina sempre no mesmo sentido.

Se for necessário tratar as inflamações, os antibióticos em gel são uma alternativa. Mas, ainda que a irritação seja constante, lembre-se: não coce a região irritada, uma vez que a unha pode levar bactérias e transformar uma simples alergia em uma infecção local.

Autor: Marco Cassol

Plástica e Estética Facial e Corporal. Trabalho com a mente como um cientista e com o coração como um artista. Sou um psiquiatra do bisturi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *